quinta-feira, 11 de outubro de 2018

MAUS E TRISTES TEMPOS AQUELES DAS REPRESÁLIAS


...Foram tempos difíceis. Os velhos guardas, sentindo-se inferiorizados pelo superior nível cultural de alguns colegas mais novos, não perdiam a oportunidade de desdenhar deles, ou mesmo recusar-lhes ajuda, quando os viam em situações delicadas, fruto da sua inexperiência. No que dizia respeito aos subchefes e oficiais, era um perfeito tormento. Contavam-se pelos dedos os subchefes, chefes de esquadra ou comissários, que naturalmente aceitassem o facto de  terem sob o seu comando guardas, que culturalmente  os ultrapassavam com facilidade. Valendo-se do seu estatuto hierárquico de superiores aos guardas, que, no entanto, eram intelectualmente mais evoluídos, ministravam-lhes represálias, tais como cortes de folgas ou imposição de serviços de patrulha suplementares, para assim lhes quebrar o ânimo, quando não era a instauração de processos disciplinares, baseados em pequenas faltas, mas que no momento eram astuciosamente empoladas.
No início da década de oitenta este clima era vivido mais nos dois grandes comandos do país, Lisboa e Porto, e no comando de Aveiro, que servia como comando trampolim, onde muitos guardas passavam anos aguardando a sua transferência, geralmente para os comandos de Bragança, Viseu e Coimbra. Nos restantes comandos, muitos do interior, as transferências faziam-se muito lentamente, pelo que as novas mentalidades apenas alguns anos depois lá chegariam. Serôdio em Lisboa e eu em Aveiro, ambos fôramos protagonistas e vítimas da lenta mudança. A mim alcunharam-me de «O Beirão»...(em continuação, ex. XXXVIII)
in Filhos Pobres da Revolta
Março/2003

terça-feira, 2 de outubro de 2018

PORTUGAL E CATALUNHA, UMA LUTA EM COMUM



Já aqui uma vez disse que admiro imenso a escrita da nossa escritora Deana Barroqueiro, não só pela forma extremamente cinematográfica como escreve, mas também pela enorme investigação histórica que faz, no sentido de escrever os seus romances históricos. Sinto que as suas pesquisas são fidedignas apresentações da história.
            E não podia ser em melhor momento que eu podia ler o seu último romance: 1640, (que ainda não acabei) que, obviamente, nos fala sobre a restauração da nossa independência.
            E digo que não podia ser em melhor momento, porque ao ler o romance aprendi que, de certa forma, devemos aos catalães a possibilidade de a nossa revolução ter tido sucesso. É que em finais de Novembro de 1640 a nossa nobreza foi convocada pelo rei Filipe III (IV de Espanha), e pelo governo do Conde Duque Olivares para ir ajudar na revolta da Catalunha, que há 378 anos se levantou em armas contra a opressão espanhola. A nossa fidalguia pensou então que, guerra por guerra, antes lutar pela causa portuguesa. E fizeram a revolução de 1640, quando o governo espanhol tinha muitas das suas forças desviadas para a Catalunha.
            Os catalães ainda continuam a lutar pela sua independência, como se viu ontem na televisão.

sábado, 29 de setembro de 2018

TANCOS, UMA TRISTE VERGONHA


Quando desapareceram as armas em Tancos, a parte da minha alma de militar, que ainda preservo, ficou quase estarrecida. Além de todo o tipo de coisas perfeitamente vergonhosas e escandalosas, que se têm passado neste nosso pobre país, só faltava isto: o exército passar pela triste vergonha de se deixar roubar, de deixar que um paiol fosse assaltado. No meu tempo de serviço militar um paiol era o correspondente ao altar de um templo. Muitas sentinelas de serviço, divididas por turnos, muitas rondas diárias e não eram necessários sistemas de vigilância. Tudo funcionava na perfeição.
            Os tempos mudam e parece que no seio da tropa mudaram muito.
            Agora, para meu espanto, ao fim de alguns meses de investigações, vejo o director da Polícia Judiciária Militar ser detido, o chefe da polícia que efectuava as investigações a esse assalto. A sério??? Mas o que é que se passa?
            E gostaria que me explicassem, que não percebo mesmo: no meio de todo este filme infeliz, o que é que o posto da GNR de Loulé teve a ver com tudo isto? Loulé? Nos cafundeu do Algarve? Relacionado com um assalto à base de Tancos, no Ribatejo? Estou desejoso de perceber esta charada!

segunda-feira, 24 de setembro de 2018

SOBRE UM ESPÓLIO HISTÓRICO DE VERDEMILHO


Acabei de ler uma notícia no Diário de Aveiro que me deixou chocado. Não que tenha sensibilizado, no mau sentido, os meus sentimentos de compaixão pelo próximo ou de injustiça cometida contra alguém. Nada disso. Antes o espanto, a incredulidade perante o desinteresse do município pela história local, um momento que foi o despoletar de uma crise, terrível mas necessária.
            O actual dono daquela que foi a casa do desembargador Joaquim José de Queiroz, avô paterno do nosso Eça de Queiroz, no sentido de restaurar a dita casa, viu-se na necessidade de oferecer todo o espólio documental, relacionado com a revolta de 16 de Maio de 1828, à biblioteca particular de José Pacheco Pereira, uma vez que a Câmara Municipal de Aveiro não se interessou por receber esse espólio.
            Para os que, eventualmente, possam não saber, afinal de que se tratou essa revolta?
            Em 1828 D. Pedro IV, então D. Pedro I do Brasil, ordenou que o seu irmão, o infante D. Miguel, retornasse do exílio na Áustria, para onde o pai de ambos (o rei D. João VI) o enviara, e tomasse a regência do reino, durante a menoridade da futura rainha, a infanta D. Maria, com a obrigação de jurar cumprir a carta constitucional de 1822. Juramento feito, D. Miguel tomou conta da regência do reino. O seu primeiro acto político foi o de dissolver a Câmara de Deputados, a 13 de Março de 1828, contrariamente ao que jurara havia pouco tempo. Dissolvida a Câmara, todos os deputados regressaram aos seus círculos políticos. Joaquim José de Queiroz foi um deles. Profundamente escandalizado com tamanha afronta cometida contra a carta constitucional e ao liberalismo, rapidamente em Aveiro urdiu uma revolta contra o regime absolutista de D. Miguel, que se supunha definitivamente extinto de Portugal, com o apoio do Batalhão de Caçadores Dez de Aveiro, transformando-se este movimento no primeiro grito de revolta, em Portugal, contra o regime absolutista, que eclodiu em Aveiro a 16 de Maio de 1828. Os preparativos desta revolta tiveram lugar na casa do deputado Joaquim José de Queiroz, no lugar de Verdemilho, a dois passos da então já cidade de Aveiro.
Os revoltosos seguiram para o Porto e a revolta acabou por ser esmagada pelas forças leais a D. Miguel e à sua mãe, a rainha D. Carlota Joaquina. Tudo acabou de forma trágica. Muitos dos cabecilhas fugiram para Espanha, mas sete foram apanhados e enforcados na Praça Nova, no Porto. As suas cabeças foram cortadas e enviadas para Aveiro e espetadas em estacas, por várias ruas, para exemplo. Essas sete cabeças repousam hoje no cemitério Central da cidade. Joaquim José de Queiroz nunca foi apanhado, mas nunca se ausentou do país, vindo a falecer apenas em 1850.
E digam-me lá se a documentação que retrata este momento, não deveria permanecer na cidade onde os factos ocorreram, guardada com carinho e emoção?
Quem somos nós se não percebermos de que forma chegámos aonde estamos?

domingo, 16 de setembro de 2018

NUMA MANHÃ HÚMIDA CIPRESTES QUE PINGAM MORTE


... O céu estava nublado, cinzento. Um olhar triste, macilento, revelador de um estado de espírito devorado pela falta de vontade de viver, ao olhar aquele céu mais certeza tinha de que a vida já ficara para trás. Era o céu de Portugal, país ingrato. Sacrificando a sua juventude, tivera ele como paga daquele seu país o desaparecimento do fulgor que ao seu corpo dava energia, ao seu espírito alento.
         No desembocar de uma rua, abria-se esta num largo. Do lado direito existia um morro de terra avermelhada, encimado por eucaliptos. Do lado esquerdo estendia-se um longo canavial. Ao centro do largo podia-se admirar um extenso e verdejante relvado. Ao fundo, por detrás de uma linha de ciprestes, localizava-se o cemitério da Conchada. O carro contornou o relvado e parou junto aos ciprestes. Álvaro saiu do carro, acompanhado pelo seu pai. A manhã estava fria e húmida. Tudo era feio para Álvaro. O mundo não tinha mais graça. Aquela relva molhada era horrível, como o eram as folhas permanentes dos ciprestes, que pingavam morte.
         O enfermeiro Victor aconchegou o filho contra si. Pôs-lhe um braço por cima dos ombros e assim atravessaram o imenso portão do cemitério, espiados pelas órbitas metálicas e velhas de uma representação de caveira, incrustada no topo do portão. Álvaro caminhou pela rua ladeada de jazigos. Onde estava? Para onde ia? Ao querer encontrar-se com a sua querida loirinha, era ali o seu destino, no meio daquelas casas sombrias, fantasmagóricas, escorrendo desolada humidade esverdeada, impregnadas de podridão? As lágrimas corriam-lhe quentes, envelhecendo-lhe o rosto...(em continuação, ex. XXXVII)
in Visitados
Novembro/1999

sábado, 1 de setembro de 2018

NOTAS AMADORAS DE UMA HISTÓRIA QUE TAMBÉM É MINHA- 1179- BULA MANIFESTIS PROBATUM- VIVA EL-REI DE PORTUGAL


Em 1179 ocorreu um facto que D. Afonso Henriques desde sempre procurou, tendo-o atingido muito à custa do seu trabalho e perseverança, como interveniente na reconquista cristã da Península Ibérica, desenhando assim o mapa de Portugal.
            Se em 1143 tinha obtido de D. Afonso VII, rei de Leão, o reconhecimento do título de rei, esse mesmo reconhecimento manteve-se omisso, durante três décadas, no que à Santa Sé dizia respeito. O que, naquela época, era impensável acontecer.
            Até que, em 1179, o papa Alexandre III através da bula Manifestis Probatum, reconheceu o título de rei a D. Afonso Henriques. Com este documento o rei português ficou sob a protecção da Santa Sé, e era declarado que Portugal era um reino pertencente a S. Pedro. Era prometido ainda auxílio papal à defesa da dignidade régia.
            Finalmente, D. Afonso Henriques era rei de Portugal em toda a sua plenitude!

domingo, 26 de agosto de 2018

1973- O REGRESSO A CASA


-... E foi assim senhor Victor que o seu filho Álvaro regressou, a tempo de passar o Natal de 1973 em casa.
-         Um natal que estava destinado a ser muito triste, mas que acabou por em certa medida traduzir uma mensagem de amor e esperança. O Álvaro quando chegou aqui foi internado no Hospital Militar. Ali esteve cerca de uma semana. Os sedativos eram fortes. Por isso o tempo em que esteve hospitalizado passou-o quase todo a dormir. Mas como não tinha ferida que se visse, mandaram-no para casa por algum tempo. O médico que o seguia, penso que era major, disse-me que enquanto ele não enfrentasse o problema não se iniciaria o processo de recuperação da perda. Recebemo-lo com a alegria possível. Quando entrou em casa quis ir de imediato ao meu escritório. Disse-me que fora ali o último grande momento de felicidade que vivera com a Catarina. Agarrou-se a mim, abraçou-me com muita força e chorou convulsivamente.
-         Não teve vontade de ver os pais de Catarina?
-         Nesse mesmo dia lá foi... (em continuação, ex. XXXVI)
in Visitados
Novembro/1999