sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

NATAL, QUE SE QUER SER FRATERNIDADE E AMOR

Neste natal ainda não me senti tocado por aquele espirito que nos empurra para a alegria de uma árvore de natal ou de um presépio. Ainda não me senti embalado pela alegria que anda no ar, porque ou essa alegria não existe ou eu não tenho capacidade para a detectar. Mas tenho de fazer um esforço, porque, efectivamente, estamos na época natalícia.
E porque, este ano, mais do que em qualquer outro que me lembre na minha vida, e que já leva umas décadas, a solidariedade é mais importante do que nunca, desejaria que o mundo, não sei se tenho peito para um desejo tão grande, mas pelo menos o mundo que gira perto do meu viver, conseguisse realmente ser solidário para que a felicidade florescesse no rosto de todos.
A todos os que, por esse mundo fora, nos têm visitado, e com uma forte incidência nos nossos compatriotas, pois mais do que nunca, precisamos de entender as amarguras uns dos outros e de aproximar-mos os nossos corações, desejo um Natal o mais feliz possível, onde consigamos atingir a verdadeira fraternidade. Que o Menino Jesus entre carinhosamente em vossas casas este Natal!

3 comentários:

Manuel Cardoso disse...

Um grande NATAL também para ti, Poeta.
Quando penso em canões de Natal vem-me sempre à memória aquele ENORME poema do GRANDE ARY DOS SANTOS, cantado 'pelo Paulo de Carvalho e que começa assim:

Tu que dormes a noite na calçada de relento
Numa cama de chuva com lençóis feitos de vento
Tu que tens o Natal da solidão, do sofrimento
És meu irmão amigo
És meu irmão

Manuel Cardoso disse...

na segunda linha queria dizer "canções", obviamente.

Poeta do Penedo disse...

Manuel Cardoso
para infelicidade de muitos, esse vento feito lençol, cada vez aumenta as suas mais as suas proporções, cobrindo com a sua indesejada protecção um maior número de irmãos nossos amigos. Independentemente da má vontade política, ou vontade nenhuma, em os resgatar á miséria, resta saber se teremos, todos nós, verdadeiro interesse e capacidade solidária em darmos o nosso contributo para esse resgate. Seria extremamente interessante darmos uma grande lição de cidadania aos que, mais responsáveis são em a exemplificar, e que são os que menos exemplos dão,em muitos vectores, começando precisamente pela solidariedade. Santas Festas, meu caro amigo.