segunda-feira, 3 de abril de 2017

ARÍSTIDES DE SOUSA MENDES, O CORAJOSO E HERÓICO CÔNSUL PORTUGUÊS EM BORDÉUS, NA II GUERRA MUNDIAL

16 de Junho de 1940, estava a Europa a sofrer a II Grande Guerra havia dez meses. França está terrivelmente trucidada pela invasão nazi. Os judeus ali residentes tentam escapar à morte certa. Espanha nega-lhes refúgio. Salazar também. Mas então, para 30.000 judeus franceses aconteceu um milagre: Bordéus transformou-se local quase sagrado, onde era possível obter a salvação. E obtiveram-na, mediante vistos que, durante sete dias, nesse mês de Junho, o Cônsul Português em Bordéus, Arístides de Sousa Mendes, passou indiscriminadamente na tentativa de salvar as vidas que lhe fosse possível salvar, mesmo contra as ordens do seu governo.
         Conseguiu os seus intentos, mas tendo sacrificado o seu bem estar e o da sua família, pois que caiu em pleno esquecimento por parte do Estado Novo, do qual era presidente do conselho António Oliveira Salazar. A sua carreira como diplomata terminou naquele ano de 1940. Aos seus catorze filhos foi-lhes negado a frequência do ensino superior em Portugal.
         Mais tarde viria a Associação Judaica de Lisboa prestar auxílio a esta família, fornecendo-lhes alimentos e assistência médica.
         Completam-se hoje 63 anos sobre a morte do Cônsul Arístides de Sousa Mendes, que ocorreu no dia 3 de Abril de 1954, na miséria.
         Hoje, a sua casa do Passal, em Cabanas de Viriato- Viseu, foi visitada pelo Presidente da República, Dr. Marcelo Rebelo de Sousa, que o homenageou postumamente com a Grã-Cruz da Ordem da Liberdade.
Arístides de Sousa Mendes, um herói que Portugal esqueceu, mas que um grande Presidente recordou.

Um verdadeiro símbolo da liberdade!

Sem comentários: