quinta-feira, 1 de janeiro de 2009

2009

Quando o ano de 2009 tem apenas doze horas, é oportuno desejar aos familiares, aos amigos, ao mundo, e a nós próprios, que tenhamos um ano de fartura, rico em facilidades, a estalar de tudo quanto nos possa proporcionar uma vida digna e feliz. E bem precisamos que tudo isso nos seja desejado.
Necessitamos de fortalecer a nossa mente contra as agressões de índole mais ou menos profética, que nos últimos dias do ano de 2008 nos lançaram para cima, quais aves de mau agoiro. E foram pessoas com imensa responsabilidade política no país, que o fizeram, e por isso mesmo, maior impacto poderão ter as suas palavras... e eles sabem disso, o que para mim representa um acto que em muito ultrapassa a mera irresponsabilidade.
Porque somos pequenos, ai jesus, que a crise vai esquartejar o país. E então surgem alguns senhores, sofrendo de um ataque de senilidade, que dilaceram a opinião pública com as seguintes afirmações: no país, em 2009, há fortes probabilidades de a criminalidade violenta subir a níveis nunca antes atingidos e o país ficar ingovernável.
Só neste nosso Portugal se ouvem barbaridades destas. Porque mesmo que se venha a correr esse risco, a obrigação, o dever moral de quem detém a responsabilidade política, é a de transmitir esperança. Psicologicamente, nada é mais gravoso do que nos persuadirmos de que a nossa casa vai desabar. Esses senhores, ao se transformarem em arautos da desgraça, em que medida contribuíram para o progresso do país? Fácil é para eles lançarem da boca para fora este asneiredo, porque a sua situação económica é de tal forma robusta, que não há crise que os afecte. E bem que o país se pode tornar num farwest, que eles, porque são poderosos, vivem numa redoma anti-bala e anti-convulsões sociais, que os torna imunes aos problemas.
Os responsáveis políticos de hoje e os de ontem, e anteontem, e do mês passado, em Portugal, leram pelo mesmo livro, já caduco, mas desafortunadamente instrutivo, pelo que se lhes reconhece o meritório trabalho que ao longo das décadas têm feito. A prová-lo, estão as estatísticas do desenvolvimento nacional, relativamente ao resto da Europa.
Abaixo da cauda da Europa, onde já estamos, não passamos, com ou sem crise. Assim, vamos enfrentar o ano de 2009 com esperança e esquecer o ruído da comunicação social. Se havemos de ser sempre pequenos, porque não fazermos juz à nossa fama de improvisação? Improvisemos pois em 2009. Quantas belas obras de arte não surgem de um inspirado momento de improviso?
Feliz ano de 2009.

8 comentários:

Clara Gomes disse...

Boa!!
Puxa por nós!
Desejo que mantenhas ( e apliques a ti), essa força positiva que o novo ano despertou em ti!
Feliz Ano Novo!

mdsol disse...

Bom ano.
:))

Gaivota disse...

Feliz Ano Novo

Que a grande estrela ilumine teu ser e tua familia ( tenho a certeza que sim)

Um abraço..

Gaivota

coração de açúcar disse...

Continue a escrever assim..2009 agradece.

MM disse...

Sugestionado pelo livro que estou a ler, O Cisne Negro, dir-lhe-ia, caro poeta, que se não conseguimos prever o que iremos comer, dizer ou fazer daqui daqui a 5 dias com precisão, como podemos andar a realizar projecções desmedidas que têm tanto de corajosas como de imprevisíveis?

O senhor Taleb, autor desse livro, diz-nos que os eventos, nos dias de hoje, estão de tal forma interligados e implicados uns nos outros, que as previsões a qualquer prazo estão imbuídas de uma inacreditável aleatoriedade.

Que cada pessoa tenha um rumo para a sua vida e que se reflicta mais: eis os meus objectivos para 2009!

Tchin-tchin,
Marcelo Melo

Paula disse...

Realmente está a ser feita uma grande publicidade de crise e de desgraça para 2009. Vamos ver até onde vai esta propaganda.
Gostei do seu blog. Parabéns!

MCG disse...

De facto, parece que o "nacional pessimismo" tem tudo para vingar em 2009... Cabe a cada um de nós lutar para que assim não seja.

Feliz Ano Novo!

Portojo disse...

Caro amigo
Sou um dos Tabanqueiros de Matosinhos. Não falo por todos, mas o sentimento é geral. No nosso grupo cabem todos. Aparece um dia para viveres 3 horas de maluqueira, mas não só. Afinal está apenas a 1 hora de comboio e a meia hora de metro.
Um abraço de amizade do
Portojo
Aproveitei e dei uma vista de olhos no teu blog.